ANUÁRIO ESTATÍSTICO BRASILEIRO DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - 2012

ANP - AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

Disponibilidade:

Produto Esgotado.

Sinopse

O ano de 2011 registra o início da produção de petróleo e gás no pré-sal. Ainda que modesta, a produção de 167,5 mil barris/dia de petróleo e 5,3 milhões de m³/dia de gás natural, totalizando 200,6 mil barris de óleo equivalente/dia, correspondeu a 7,5 da produção nacional no final de 2011. Estes dados demonstram a viabilidade técnica e comercial da extração de petróleo e gás natural abaixo da camada de sal, em profundidades da ordem de sete mil metros. O campo de Lula já ocupava a posição de 8º maior produtor de petróleo e gás natural do Brasil e representou 3,1 da produção no final de 2011. Vale destacar ainda a declaração de comercialidade do campo de Sapinhoá, também na área do pré-sal na Bacia de Santos, com início de produção prevista para 2012. Em 2011, a produção brasileira de petróleo cresceu 2,5, enquanto as reservas provadas cresceram 5,6, alcançando o volume de 15 bilhões de barris.
Os resultados obtidos no pré-sal abriram perspectivas em ano marcado pelo agravamento da crise mundial, com o aumento da dívida soberana dos países europeus, a lenta recuperação da economia norte-americana e a desaceleração do crescimento dos países emergentes.
Nesse contexto, a economia brasileira cresceu 2,8. Em comparação a 2010, as vendas de combustíveis subiram num ritmo moderado – 3,6 no País. A alta significativa dos preços do etanol resultou na perda de competitividade deste combustível. Os consumidores migraram para a gasolina C, cujo consumo subiu 19, enquanto as vendas de etanol hidratado tiveram queda de 27,7.
Seguindo tendência mundial, a indústria brasileira do gás natural ganhou impulso. O aumento de 8,6 nas reservas e de 5 na produção esteve associado à redução de 27,7 das queimas e perdas e à diminuição de 7,6 do volume reinjetado nos poços. Houve também um recorde de entregas, favorecido pelo início da produção dos campos de Mexilhão, Uruguá e Tambaú, na Bacia de Santos, assim como pela entrada em operação da unidade de tratamento de gás de Caraguatatuba e dos gasodutos Caraguatatuba-Taubaté e Lula-Mexilhão. A ANP deu prosseguimento ao processo de regulamentação da Lei do Gás, promulgada em 2010, com a publicação das resoluções nos 50, 51 e 52, todas de 2011.
A produção de biodiesel no Brasil aumentou 11,5, enquanto a capacidade nominal da indústria registrou expansão de 16. Manteve-se a predominância do óleo de soja como matéria-prima para o biodiesel. Aproximadamente 2,7 milhões de metros cúbicos do produto foram comercializados em quatro leilões realizados pela ANP em 2011.
Este Anuário traz como novidade a inclusão da série histórica dos resultados do Programa de Monitoramento da Qualidade do Combustível (PMQC). O PMQC é o instrumento utilizado pela ANP para verificar a qualidade dos principais combustíveis líquidos comercializados no País. Por meio do programa identificam-se os focos de não conformidade – produtos que não atendem às especificações técnicas – e planejam-se ações de fiscalização do abastecimento. Em 2011, houve um aumento de 13,9 de amostras coletadas e redução do índice de amostras não conformes para 2,2 do total, o que mantém a qualidade dos combustíveis brasileiros entre os melhores do mundo.

Magda Maria de Regina Chambriard
Diretora-geral

Ficha Ténica

Editora: Synergia Editora

Especialidade:

ISBN: 0000219835882

Páginas: 250

Ano: 2012

Edição: 1